Praia da Ingrina

Pensamento em tempo de coronavírus

pandemia coronavirus pandemic

Pensamento em tempo de coronavírus

Chegou como uma bomba nuclear, como um cataclismo que avançou pelo mundo, como uma guerra sem rosto que se espalhou pelo planeta.

A pandemia, que teve início no final de 2019 na China, não tardou a bater-nos à porta. Mesmo àquelas mais isoladas no mundo.

Em Portugal temos sempre a falsa sensação que nada nos atinge, que neste pequeno canto à beira-mar plantado passamos sempre ao lado de todas as calamidades que costumam assolar os outros… nunca nós.

Mas a recente crise provocada pelo COVID-19 chegou também a solo português. A pandemia, que tinha o seu núcleo nos países asiáticos, passou a expressar-se de forma avassaladora na Europa. Portugal não é exceção.

Este mês vimos uma Itália a cair na desgraça; França e Alemanha a mostrar que os grandes também não saem ilesos; Espanha a entrar no abismo dia após dia e Portugal a seguir-lhe as pisadas (espero que em menor velocidade). O Reino Unido, fora da Europa, parece por enquanto (à data que escrevo este post) estar em negação que lhe vai acontecer o mesmo — ou pelo menos na mesma proporção — que aos seus ex-países-irmãos.

Mas uma pandemia não escolhe fronteiras e os Estados Unidos da América e Brasil, que até há pouco relativizavam o problema, já começaram a sentir as consequências do mesmo surto que a velha Europa vê-se grega em controlar.

América Latina, Austrália, Nova Zelândia, todos contam infetados e, por enquanto, o continente africano parece ser o que menos sofre… mas será mesmo assim? Ou será pouca capacidade de ler a situação que possivelmente já estão a viver? Espero que estejam mesmo com menos casos. África conta, infelizmente, no seu passado com um longo historial de epidemias, que esta bem que podia não lhes bater tanto à porta.

Seremos de novo viajantes

Com um cenário dos mais negros que eu, e possivelmente muitos de vós, alguma vez testemunhou, onde ficamos como viajantes? Em casa.

A nossa casa é talvez o local que mais tentamos evitar durante o ano porque nos está no sangue sermos nómadas, andar a saltitar de poiso em poiso, sempre à procura de novos destinos e locais para visitar. Mas o nosso lar é agora o melhor dos lugares para estar.

coronavirus cover-19 ficar em casa stay at home

As organizações de saúde que estão a acompanhar o caso advertem que a propagação desta pandemia pode ser controlada se evitarmos o contacto social, se nos mantivermos em casa e nos abstivermos de lidar com outros humanos.

Em Portugal (onde até ao momento não foi decretada quarentena obrigatória), os nacionais têm aderido à quarentena voluntária. Estamos em trabalho remoto, a cuidar da família, a reaprender a lidar uns com os outros, a ganhar um novo amor pela cozinha e pela lide da casa, a encontrar novas formas de nos mantermos em forma.

É todo um novo Mundo Novo, o qual nós, viajantes, estamos também a redescobrir.

Até quando? Ninguém sabe. A incerteza é enorme. Mas uma coisa é segura: quando tudo isto passar o mundo vai precisar de nós, os viajantes. Vai precisar que compremos voos para outros países, que voltemos a ficar em alojamentos, a gastar dinheiro no comércio local, a frequentar restaurantes e bares, a ir a museus e a fazer tours.

Itália vai precisar que voltemos à Fonte de Trevi, em Roma, para lançar a moeda ou a andar nas gondolas de Veneza; França precisará de visitas ao Louvre, em Paris, e Espanha ao Reina Sofia, em Madrid; e Portugal? Necessitará que voltemos todos a viajar cá dentro e dos turistas a fazerem filas na Torre de Belém, em Lisboa, ou nos Clérigos, no Porto.

O turismo é motor económico de muitas nações, incluindo do meu país, e vamos todos precisar de voltar a viajar para que todos recuperemos desta crise.

Por ora, resta-nos deambular no interior da nossa casa. A trabalhar em novos textos, a passar tempo com a família, a ler livros de outros viajantes, a tratar as centenas de fotos de viagens passadas que nunca pensaram algum dia chegar a ver a luz do Lightroom.

O nosso dia de voltar a fazer a mala e partir para um novo destino vai chegar e esperemos que seja para breve.

Marlene é a criadora do Marlene On The Move. Jornalista de profissão, criou o blog para partilhar as suas aventuras, quer em Portugal, destino sobre o qual escreve para publicações digitais portuguesas, como no Mundo. Não é raro partir à descoberta de novos países e culturas.

Post a Comment

Lorem ipsum dolor sit amet, consectetur adipisicing elit sed.

Follow us on